Perigo de demissões em massa em Correio Postal dos Estados Unidos
16/08/201115:58:00
 

O diretor geral do Serviço de Correio Postal dos Estados Unidos, Patrick Donohoe, confirmou hoje que sua empresa prevê fechar 3.650 escritórios em um esforço para evitar a falência

Em um futuro próximo nossa organização será mais simples, discreta, mas também mais competitiva. Consideramos ademais reduzir o serviço de sete a cinco dias, explicou Donohoe para CNN.

O diretor recordou que em 2010 o Correio Americano sofreu perdas no valor de 8,5 bilhões de dólares e prevêem um oco nos rendimentos de 20 bi até o 2015 se não tomarem medidas fortes de modernização. O Correio Americano faz 236 anos como uma empresa federal com o lema We Deliver for You (Entregamos por ti). O Serviço de Correio Postal notificou um déficit milionário em peças entregadas.

Tais resultados induziram que a junta diretora do Correio Americano decidisse desde 2010 fechar diversos escritórios, uma das justificativas é que as pessoas estão enviando muitas menos cartas pelo uso maioritário do email (correio eletrônico). Como consequência da recessão, também baixou o volume de revistas e jornais solicitados por correios, a publicidade e as contas de serviços públicos pagos por esta via. Sem falar das grandes concorrentes, FEDEX e UPS.

O Escritório de Responsabilidade Governamental adendo supervisor do Congresso, colocou organismo amparado pelo Estado, na lista de entidades sob risco de quebra financeira. Após a companhia de lojas Wal-Mart Stores Inc (com 1,4 milhões de operários), o Correio Americano é o maior empregador civil na nação e representa o sustento de quase 750 mil famílias estadunidenses. (http://www.prensa-latina.cu/index.php?option=com_content&task=view&id=309944&Itemid=1- texto com alterações)


Fonte:
ASDEM/DR/SPI