ļ»æ SINDASUL - Sindicato dos Administradores de Mato Grosso do Sul

Artigo: Receber flores
11/03/201311:18:00
 

*Por Antonio Rodrigues Belon

Uma sociedade dividida em classes luta contra a exploraĆ§Ć£o e a opressĆ£o? Ou oferece flores Ć s mulheres no dia 8 de marƧo? O machismo divide as classes trabalhadoras. Impede a incorporaĆ§Ć£o das lutas contra a opressĆ£o no programa de lutas efetivamente emancipatĆ³rias. As organizaƧƵes policlassistas ou burguesas subordinam as lutas das mulheres aos seus fins. Transformam o dia da mulher e as possibilidades de lutas oportunidades de negĆ³cios.

O processo de reorganizaĆ§Ć£o sindical brasileiro coloca no seu eixo central o tema das lutas das mulheres. Uma luta sindical e popular ganha espaƧo no horizonte de uma concepĆ§Ć£o de luta classista as mulheres. Os homens e as mulheres das classes trabalhadoras em unidade. Unir as mulheres trabalhadoras para lutar junto com os homens trabalhadores contra a opressĆ£o. NĆ£o hĆ” como pensar essa luta vitoriosamente, se for uma luta assumida apenas por mulheres.

Duas concepƧƵes vĆ£o alĆ©m da vulgaridade comercial imediata configurada na transformaĆ§Ć£o da mulher em objeto de decoraĆ§Ć£o e vendas. Uma representada pelas correntes sexistas burguesas: refina e torna sofisticada, a dominaĆ§Ć£o do capital, da mercadoria, em formas renovadas. A segunda concepĆ§Ć£o propƵe a organizaĆ§Ć£o das mulheres trabalhadoras transversalmente.

A prioridade Ʃ organizar as mulheres em entidades sindicais, populares, estudantis; juntar trabalhadoras de base dos sindicatos, trabalhadoras informais, donas de casa, as mulheres pobres em geral, na perspectiva da unidade de aƧƵes e lutas.

*Antonio Rodrigues Belon Ć© Professor doutor aposentado da UFMS (campus de TrĆŖs Lagoas)