ÔĽŅ SINDASUL - Sindicato dos Administradores de Mato Grosso do Sul

Um em cada dez universitários do País cursa Administração
17/09/201517:19:00
 

S√ÉO PAULO ¬≠ Administra√ß√£o √© o curso que tem o maior n√ļmero de matr√≠culas no Brasil. Dos 7.305.977 alunos inscritos em gradua√ß√Ķes no Pa√≠s, 886.690 optaram por essa carreira (considerando cursos presenciais e a dist√Ęncia), segundo o Censo da Educa√ß√£o Superior 2013, dados mais atualizados do Minist√©rio da Educa√ß√£o (MEC). Isso corresponde a 12% do total.

 √Č uma das gradua√ß√Ķes mais procuradas por formar profissionais que atuam com planejamento de estrat√©gias, dire√ß√£o e gerenciamento em diversas √°reas de empresas p√ļblicas ou privadas, explica o coordenador e professor do curso de Administra√ß√£o da Escola Paulista de Pol√≠tica, Economia e Neg√≥cios, c√Ęmpus Osasco, da Universidade Federal de S√£o Paulo (Unifesp), Lu√≠s Hernan Contreras Pinochet. ‚ÄúO curso tem maior empregabilidade e possibilidade de inser√ß√£o no mercado de trabalho. √Č o grande desafio da atualidade e requer mudan√ßas sistem√°ticas das empresas, do perfil dos profissionais e dos centros de qualifica√ß√£o.‚ÄĚ

 Para o professor da Unifesp, o alto n√ļmero de matr√≠culas √© positivo para o Pa√≠s. ‚ÄúGrande parte das atividades e cargos de uma companhia exige essa forma√ß√£o. H√° uma variedade de corpora√ß√Ķes que, impulsionadas pelas novas tecnologias, estimulam a necessidade de um administrador com perfil diferenciado.‚ÄĚ

 Para o professor Hong Yuh Ching, coordenador do curso de Administra√ß√£o, c√Ęmpus S√£o Bernardo do Campo, do Centro Universit√°rio da Funda√ß√£o Educacional Inaciana Padre Sab√≥ia de Medeiros (Centro Universit√°rio da FEI), Administra√ß√£o √© o curso com maior n√ļmero de estudantes porque tem baixo custo de manuten√ß√£o e procura constante. ‚ÄúIsso √© positivo, pois reflete a demanda do mercado de trabalho.‚ÄĚ

 Vagas para todos. A alt√≠ssima flexibilidade para ramos de trabalho √© um dos fatores que faz o curso ser um dos mais ofertados no Pa√≠s, segundo o professor Fernando Coelho Martins Ferreira, da Universidade Mackenzie. Entretanto, ele aponta uma desvantagem: a grande quantidade de graduados pode saturar o mercado, j√° bem disputado. ‚ÄúBoa parte das pessoas busca esse curso pela ampla oportunidade em √°reas diversas, sejam p√ļblicas ou privadas. O mercado √© altamente competitivo, mas, mesmo assim, n√£o h√° vagas para absorver tantos formandos.‚ÄĚ

 O total elevado de graduados em Administra√ß√£o todos os anos √© visto com ressalva pelo presidente do Conselho Federal de Administra√ß√£o (CFA), Sebasti√£o Luiz de Mello. ‚ÄúOs n√ļmeros nos saltam aos olhos. Mas, ao mesmo tempo, eles trazem preocupa√ß√£o. Estamos de olho n√£o apenas na quantidade, mas, sobretudo, na qualidade do ensino.‚ÄĚ Segundo dados do MEC de 2013, no Brasil h√° 2.384 cursos de Administra√ß√£o presenciais e 198 a dist√Ęncia.

Qualifica√ß√£o. Os profissionais rec√©m-chegados ao mercado, segundo Mello, precisam estar qualificados e preparados para o exerc√≠cio da profiss√£o. ‚ÄúPor essa raz√£o, o conselho n√£o tem poupado esfor√ßos para lutar por uma academia mais alinhada com as necessidades do mercado de trabalho‚ÄĚ, afirma. ‚ÄúOu seja, por um ensino que v√° al√©m do conte√ļdo te√≥rico e ofere√ßa para este estudante a possibilidade de vivenciar, na pr√°tica, o dia a dia de um administrador.‚ÄĚ

 Para Mello, essa forma√ß√£o de qualidade s√≥ √© poss√≠vel por meio da cria√ß√£o de laborat√≥rios, incubadoras e ag√™ncias juniores. ‚ÄúSer√£o nesses espa√ßos que o estudante poder√° saber como funciona uma √°rea de Recursos Humanos e como se d√° o planejamento e a parte de Finan√ßas e Log√≠stica, al√©m de compreender melhor o Marketing e desenvolver melhor a sua capacidade empreendedora.‚ÄĚ

Essa abrang√™ncia de campos √© um aspecto positivo da carreira apontado pelo professor Eduardo Fernandes Pestana Moreira, coordenador do curso de Administra√ß√£o do c√Ęmpus Perdizes da Pontif√≠cia Universidade Cat√≥lica de S√£o Paulo (PUC¬≠SP).

‚ÄúO bacharelado em Administra√ß√£o, por navegar por v√°rias √°reas do conhecimento, atrai n√£o s√≥ aqueles alunos que j√° est√£o identificados com essa futura carreira, como uma parcela que ainda est√° indecisa e opta por um curso mais abrangente. Isso √© bom, j√° que √© menor do que 10% o √≠ndice de abandono por troca de curso.‚ÄĚ

√Āreas de atua√ß√£o. O campo de atua√ß√£o para o administrador √© dividido em diversos ramos: Administra√ß√£o de Empresas, Com√©rcio Exterior, Administra√ß√£o Hospitalar, Recursos e Rela√ß√Ķes Humanas, entre outras.

 ‚ÄúH√° v√°rias oportunidades de carreira porque toda organiza√ß√£o, seja p√ļblica, privada ou do terceiro setor, precisa de administradores para atuar em diferentes √°reas como Finan√ßas, Marketing, Produ√ß√£o, Qualidade e Tecnologia‚ÄĚ, afirma o coordenador acad√™mico da Faculdade de Inform√°tica e Administra√ß√£o Paulista (Fiap), Cl√°udio Carvajal. ‚ÄúAl√©m de atuar em qualquer tipo de organiza√ß√£o, o administrador pode usar suas habilidades e compet√™ncias para empreender, administrando neg√≥cio pr√≥prio.‚ÄĚ

Os ramos de Recursos Humanos, Marketing, Finan√ßas, Log√≠stica e Materiais s√£o os mais procurados por administradores, de acordo com o presidente do CFA. ‚Äú√Č nessas √°reas que est√£o as maiores necessidades e as melhores oportunidades de trabalho‚ÄĚ.

‚ÄúO Brasil como um todo est√° carente de especialistas desses cargos de relev√Ęncia.‚ÄĚ Segundo dados da Pesquisa Nacional de Perfil, Forma√ß√£o, Atua√ß√£o e Oportunidades de Trabalho do Profissional de Administra√ß√£o, realizada pelo CFA em 2011, as √°reas funcionais (Administra√ß√£o Geral, Financeira, Vendas e Recursos Humanos) apareceram em 58,82% das prefer√™ncias dos profissionais.

 Mello ressalta que a √°rea de Recursos Humanos vinha decrescendo ano ap√≥s ano, mas apresentou uma recupera√ß√£o nesta pesquisa em rela√ß√£o ao levantamento realizado em 2006, passando de 6,73% para 9,46%. O presidente do CFA prev√™ aumento na procura por administradores em alguns campos. ‚ÄúMedia√ß√£o e arbitragem, quest√Ķes ambientais e as demandas do futuro (como nanotecnologia, longevidade e sustentabilidade) s√£o √°reas que seguramente v√£o necessitar de mais administradores.‚ÄĚ

Um dos ramos que t√™m car√™ncia de profissionais no Brasil √© a Administra√ß√£o P√ļblica. Nele, o profissional se dedica principalmente ao √Ęmbito do servi√ßo p√ļblico e tamb√©m para organiza√ß√Ķes da sociedade civil, como as Organiza√ß√Ķes N√£o Governamentais (ONGs).

Mesmo com essas especificidades, existem pontos em comum com as demais √°reas da Administra√ß√£o, isso tanto em termos de forma√ß√£o (mat√©rias em comum no curr√≠culo, sobretudo as b√°sicas) quanto nas possibilidades de atua√ß√£o: um administrador p√ļblico poder√° trabalhar na iniciativa privada e vice-versa. Ou seja, um administrador de empresas pode vir a atuar na √°rea p√ļblica. Para isso, precisa de experi√™ncia pr√°tica ou forma√ß√£o complementar que possibilite esse tr√Ęnsito entre √°reas.

 Potencial. ‚ÄúO campo da Administra√ß√£o P√ļblica √© t√£o amplo quanto a variedade de organiza√ß√Ķes p√ļblicas. Temos uma enorme gama de funda√ß√Ķes, empresas de economia mista e autarquias. Mas o que demonstra o enorme potencial dessa carreira se refere √† car√™ncia de m√£o de obra qualificada nesse campo na esfera p√ļblica‚ÄĚ, afirma o professor e coordenador do curso de bacharelado em Administra√ß√£o P√ļblica da Unicamp (Faculdade de Ci√™ncias Aplicadas), Oswaldo Gon√ßalves Junior.

‚ÄúO Brasil tem 5.570 munic√≠pios, sendo que a maior parte n√£o tem sequer um administrador p√ļblico formado em seus quadros administrativos. Muito tem de ser feito ainda no Pa√≠s em termos de profissionaliza√ß√£o da m√°quina p√ļblica.‚ÄĚ

 Para ele, profissionais preparados para enfrentar os desafios, com boa forma√ß√£o, ‚Äús√£o e ainda ser√£o muito demandados no Brasil‚ÄĚ. ‚ÄúA Administra√ß√£o P√ļblica envolve um compromisso √©tico com o desenvolvimento de um Pa√≠s mais inclusivo e que traga melhor qualidade de vida √† popula√ß√£o, para o meio ambiente e para a sociedade como um todo.‚ÄĚ

 Setor de servi√ßos. O coordenador do curso de gradua√ß√£o em Administra√ß√£o da Universidade S√£o Judas Tadeu, Elias Julio Pozenato, afirma que o Brasil √© uma economia em que aproximadamente 70% do mercado de trabalho est√° voltado para o setor de servi√ßos. ‚Äú√Č preciso um administrador capaz de enxergar a organiza√ß√£o por completo, ter compet√™ncia para relacionar sistemicamente todas as √°reas empresariais em ambientes complexos.‚ÄĚ

De acordo com o professor, a oferta do curso de Administra√ß√£o vem acompanhando essa tend√™ncia. ‚ÄúComo o sistema econ√īmico √© c√≠clico, a longo prazo tendem a surgir novas possibilidades de atua√ß√£o no mercado de trabalho em fun√ß√£o da satura√ß√£o sist√™mica.‚ÄĚ

 O coordenador acad√™mico da Fiap destaca que as tecnologias ‚Äúemergentes‚ÄĚ t√™m possibilitado novas oportunidades para inova√ß√£o nas empresas. ‚ÄúO administrador ter√° um ambiente sensacional para criar e desenvolver novos modelos de neg√≥cios e novas teorias para a √°rea, nessa era da conectividade.‚ÄĚ As empresas est√£o se reinventando, segundo Carvajal.

 Uma forma√ß√£o abrangente, com disciplinas na √°rea de Exatas e Humanas, tem como grande vantagem possibilitar ao profissional desenvolver uma carreira flex√≠vel, o que muitas vezes permite a migra√ß√£o de √°reas ao longo da trajet√≥ria profissional. ‚Äú√Č comum um administrador exercer fun√ß√Ķes financeiras num momento da carreira, e de planejamento estrat√©gico ou gest√£o de pessoas num outro.‚ÄĚ Quando se forma, o administrador tem uma vis√£o b√°sica de todas as √°reas de uma empresa. O aluno se identifica com uma delas, de acordo com seu perfil, e busca especializa√ß√£o, segundo Carvajal.

 O coordenador da gradua√ß√£o em Administra√ß√£o de Empresas da Escola de Administra√ß√£o de Empresas de S√£o Paulo (FGV¬≠EAESP), Nelson Barth, afirma que deve se considerar que tipo de administrador o aluno quer ser. ‚ÄúO aluno vai descobre as possibilidades aos poucos, conforme vai cursando as disciplinas.‚ÄĚ


Fonte: ESTADÃO

<http://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,um-em-cada-dez-universitarios-cursa-administracao,1757760>

Data:08/09/2015